(12) 3876-1999

Artigo do provedor da Santa Casa é destaque no Estadão

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Artigo escrito pelo provedor da Santa Casa de São José dos Campos, Ivã Molina, foi destaque no blog do jornalista Fausto Macedo, no Estadão, nesta quarta-feira (12/2).

No texto, Molina destaca a relevância das Santas Casas e instituições filantrópicas para o sistema de saúde pública, entidades essas que são responsáveis por mais de 60% da alta complexidade no setor. 

O artigo pode ser lido aqui e também segue, na íntegra, abaixo.

Santa Casa não vive de misericórdia

Ivã Molina

É preciso pontuar e deixar bem claro que, há muito tempo, as Santas Casas e hospitais filantrópicos no Brasil não sobrevivem por misericórdia. Esse senso comum, de coitadinha, pobrezinha precisa ser revisto.

Do ponto de vista de importância, de relevância para o sistema de saúde pública e até mesmo de sustentabilidade e de gestão, as Santas Casas possuem dados expressivos e demonstram, a cada dia, seu papel fundamental na assistência em saúde.

É verdade que trabalhamos com muitos problemas, como produção e volume de atendimento ao Sistema Único de Saúde (SUS) acima do teto contratualizado – e isso não é pago. Há diversos procedimentos na tabela extremamente defasados e muitas entidades acumularam dívidas ao longo dos anos que, sem um programa concreto de apoio do governo federal, essa dívida jamais será paga. Há regiões, Estados e municípios em que os problemas de repasses são graves, onde prontos-socorros ficam nas costas das Santas Casas, além dos hospitais pequenos, com menos de 50 leitos, em municípios onde a taxa de ocupação hospitalar chega a ser menor que 50%. São situações graves, que precisam ser revistas e ocorrem, geralmente, onde não há outra opção de atendimento e a população só pode contar com a Santa Casa, que se mantém de pé graças à emendas parlamentares e às doações da população através de bingos, rifas e muitos outros eventos beneficentes.

Também é necessário deixar claro o protagonismo dos hospitais filantrópicos que são mais que essenciais para o SUS, porque são responsáveis por mais de 60% da alta complexidade na saúde. Cirurgias, tratamentos oncológicos e cardíacos, transplantes, dentre outros atendimentos mais complexos e caros são realizados, em sua maior parte, por uma instituição filantrópica, especialmente porque custam menos em nossos hospitais do que nos hospitais públicos.

Nos últimos anos, incentivos, complementos de faturamento e novos contratos junto ao governo federal, e até mesmo em alguns estados, especialmente em São Paulo, deixam claro nossa importância para o sistema.

As Santas Casas e hospitais filantrópicos, por sua vez, cansados de acusações de má gestão, também evoluíram, saíram de sua zona de conforto à espera de um milagre. Seus gestores estudaram ou foram trocados, passaram a operar parte de sua capacidade, permitida por lei, no sistema privado, exploraram suas estruturas e mão de obra com operadoras de saúde próprias, fizeram convênios, investiram em melhor hotelaria, assumiram metas e compromissos de qualidade, buscaram acreditações hospitalares e muitas saíram do túnel e voltaram a operar no azul, fazendo investimentos em capacitação, estrutura e até mesmo modernizando seu parque tecnológico.

O governo passou a ver que se Santa Casa que trabalha bem seu atendimento privado também evolui e atende melhor o paciente público, um círculo virtuoso se formou e tem Santa Casa ampliando instalações, ganhando prêmios de excelência e, em muitos lugares, a população já reconhece essa evolução, apoia e opta por um plano de saúde que preferencialmente terá seu atendimento na Santa Casa local.

Os hospitais filantrópicos tentam se organizar em rede, afinal, juntos, formam a maior rede hospitalar do país, se reúnem e buscam soluções para os problemas comuns, e não deixaram de batalhar por medidas que também socorram os pequenos, que são peças importantes. Os municípios menores precisam exercer corretamente seu papel na rede para não sobrecarregar o sistema e manter o que é simples, sendo resolvido de forma simples, e o que é complexo e caro sendo solucionado por quem é referenciado e especializado. A rede pública, especialmente no Estado de São Paulo, a Central de Regulação de Ofertas e Serviços de Saúde, nunca funcionou tão bem como hoje e sabemos que estamos no caminho certo.

Transparência é fundamental para que as mais de duas mil entidades, muitas delas centenárias, não paguem o preço da falta de credibilidade de pouquíssimas instituições que foram usurpadas por bandidos.

Há muito o que fazer, precisamos avançar em governança, há muito o que inovar e investimentos que precisam ser feitos. O Ministério da Saúde investiu na atenção primária e, este ano, se comprometeu com a atenção especializada. No Estado de São Paulo, há promessas de que o Programa Santas Casas SUStentáveis seja ampliado para um número maior de hospitais filantrópicos e que o aporte financeiro total seja ampliado e acompanhe a inflação dos últimos anos. Seguimos confiantes de que essas medidas se concretizem e possamos avançar ainda mais, mas o fato é que essa rede não precisa de misericórdia, precisa de reconhecimento e valorização.

Comprovadamente fazemos mais e melhor, e somos capazes de transformar nossas instituições que sofreram com o descaso durante anos, em grandes e fortes equipamentos de saúde. Nossa meta é alcançar a melhor experiência do paciente para que, em breve, a Santa Casa recupere o seu status natural, de protagonista da atenção à saúde e de acolhimento das pessoas.

Ivã Molina é provedor da Santa Casa de São José dos Campos